7 de maio de 2018

OS CAMINHOS DIVERSOS DE UM PERSONAGEM JÁ NO FIM


 
Sequência de "O santo sangue" com arte de Marcel Bartholo, a ser lançado no segundo semestre
            Já comentei algumas vezes neste blog sobre os curiosos caminhos que uma criação leva ou no caso desta postagem de hoje, um personagem. Muitas vezes ele segue por trilhas diferentes do que originalmente havíamos concebido, isso eu digo, independentemente de sua popularidade. O personagem Vérnio, um matador já com sua idade um pouco avançada, com uma aposentadoria longe de acontecer, vivendo num universo que mistura sertão e outros elementos não tão ligados entre si, foi criado em 2012 para uma hq curta chamada A história do ovo, publicada na edição 11 da revista Café Espacial (publicada pela Associação Café Espacial), nesta história o leitor é apresentado a essa matador que tem a missão de levar uma pequena caixa de um vilarejo destruído após o ataque de bandidos para um outro vilarejo. O trabalho lhe é dado por um bruxo à beira da morte que o contrata para levar a seu irmão, outro bruxo, a tal caixa. No caminho ele passa por algumas provações que testam sua fidelidade a seu objetivo, até enfim chegar ao vilarejo. Vérnio é quase um simbolismo, pelo menos essa foi minha primeira intenção, do ser humano em si, sempre à beira da compreensão do simples e necessário para que se viva em paz consigo e com o resto, porém sempre tropeçando e caindo em seus princípios. Daí a lição vivida na “aventura” não é aprendida, apenas vivida, não assimilada, e assim segue adiante envelhecendo e com sua espingarda cada vez mais pesando em suas costas. Vérnio, um homem velho, cansado, preso ao seu início, ao que lhe foi formatado e se auto formatou, sem entender que tudo sempre muda. Foi dentro deste preceito julguei que esse personagem caberia numa aventura maior, num álbum.
Primeira versão não finalizada com cores de Omar Viñole
             O santo sangue foi escrito há uns cinco ou seis anos, não me recordo agora, e trazia o personagem num outro momento, completamente desassociado da primeira hq. Desta vez é contratado por um rico fazendeiro para matar um misterioso ex-funcionário que segundo ele, havia tirado a virgindade de sua única e querida filha e lançado uma maldição sobre ela, só que tal maldição na realidade mostrou-se um benefício para o humilde povo da região: todos os dias durante algumas horas, Lucem (a filha do fazendeiro) sangra, um tipo de menstruação constante e ininterrupta e este sangue expelido da moça tem poderes curativos, trazendo milagrosas curas para as pessoas que a ela procuram. Inconformado com tudo isso pois sua fazenda havia se tornado um lugar de peregrinação, além de tudo, este fazendeiro põe o matador, Vérnio, atrás desse suposto malfeitor de sua filha. Mais uma vez, o matador irá passar por confrontos colocando à prova várias questões, inclusive coisas relacionadas a sua história pessoal. A hq começou a ser desenhada por mim há alguns anos atrás, com cores e arte-final do Omar Viñole, parceiro de outros trabalhos meus (Yeshuah, Histórias do Clube da Esquina, Auto da barca do Inferno, etc.), porém o trabalho acabou não tendo continuidade por alguns fatores, entre eles a produção de outro projeto, Cadernos de Viagem, lançado em 2016. E é aí que entra o talentosíssimo artista Marcel Bartholo: conhecido meu há alguns anos, vem se enveredando nos quadrinhos há pouco tempo e com resultados surpreendentes e foi em uma das conversas, acredito eu, em um dos eventos de quadrinhos do país que lhe propus uma parceria, desenhar um roteiro meu. Marcel aceitou o convite de imediato e não 
O artista Marcel Bartholo
houve dúvidas sobre que texto lhe passar, O santo sangue, o estilo de sua arte, seu traço, seu acabamento, quase como um Portinari (comparação quase no mesmo nível, creiam) dos quadrinhos, era a linha visual que esse roteiro pedia e mais ainda, o protagonista, o velho matador Vérnio precisava. Mesmo tendo apresentado A história do ovo e as páginas finalizadas da primeira versão de O santo sangue, Marcel trouxe toda uma roupagem nova para esse universo e principalmente dando uma visão pessoal ao personagem, dando sem dúvida nenhuma, a cara definitiva ao personagem. Aí, chego no ponto de partida deste texto quando comentei sobre os curiosos caminhos de um personagem. O santo sangue, será lançado agora no segundo semestre pela editora Marsupial no seu selo de quadrinhos, a Jupati. Será o primeiro trabalho de Marcel Bartholo dentro de um esquema editorial e de maior penetração (anteriormente havia lançados trabalhos de forma independente) e com certeza, será uma imensa satisfação trazer para vocês mais essa andança do velho matador, agora sim, definido em suas indefinições do viver. Curioso pensar no final disto tudo, que talvez a aposta tenha sido muito mais da minha simpatia pelo personagem do que um sucesso que ele tenha obtido anteriormente, embora agora esteja tomando uma estrutura melhor, digamos assim. Ah, claro, e se depois desta teremos outras histórias? Só o tempo e as vendas (rs...) poderão dizer, mas se for o caso e o Marcel topar, será com ele conduzindo com suas fortíssimas e vigorosas imagens com certeza.
Primeira aparição do matador Vérnio em "A história do ovo", publicada na edição 11 da revista "Café Espacial"